A TUA RÁDIO NO SUL

JÁ TOCOU
 
A TOCAR
 
VAI TOCAR
 
Abril, espetáculos mil no Cineteatro Louletano

Data

O melhor da música, teatro e dança produzidos a nível nacional vai estar em palco no Cineteatro Louletano em abril, com estreias e coproduções. Loulé abre os braços de novo para a peça “Soberana”, no ano em que a Mãe sai à rua pela primeira vez após a pandemia.

“Soberana”, a peça de teatro coproduzida pelo Teatro do Eléctrico e Cineteatro Louletano, que esgotou a sala por diversas vezes em 2019, está de regresso a Loulé, no ano em que se recuperam a Festa Grande e a Festa Pequena da Mãe Soberana na cidade. “Soberana”, que tem um vasto elenco de atores e atrizes e um cenário incrível terá uma sessão em abril, no dia 17, às 21h00, com Audiodescrição (para pessoas com deficiência visual) e Língua Gestual Portuguesa (para S/surdos – com “S” maiúsculo são surdos que falam LGP).

Ainda no teatro, o mês começa logo a 1 de abril com “Engolir Sapos”, pela Amarelo Silvestre, uma peça que nos propõe uma reflexão sobre a integração das comunidades ciganas (estima-se que haja cerca de 50 mil ciganos em Portugal) e os preconceitos que ainda hoje existem face a esta minoria. Peça com uma sessão para escolas. Mais tarde, a 22 de abril, A Turma traz-nos “Alma”, de Tiago Correia, peça que ganhou o Grande Prémio de Teatro Português SPA 2018. Um trabalho sobre um jovem que tem um acidente e que fala sobre a solidão e a possibilidade de confiança na amizade e no amor, a importância de que se revestem os laços familiares e a transmissão de valores entre gerações, com uma sessão dedicada às escolas.

Em abril, espetáculos mil, e muitos deles são trazidos por companhias de topo, como é o caso de “Pantera”, espetáculo de dança baseado no músico cabo-verdiano Orlando Barreto, mais conhecido como Pantera, ele que abriu novos horizontes na música no seu país. “Pantera”, pela Companhia Clara Andermatt, mistura a dança e a música e é, sobretudo, uma intensa e dinâmica experiência de colaboração. Na peça, é convidada a cantora Mayra Andrade. Para ver dia 9 de abril, com Audiodescrição. Também na área da dança, Vera Mantero traz-nos “O Limpo e o Sujo”, uma peça sobre as regras e a falta delas, sobre corpos educados e deseducados e a fusão possível entre ambos.

Na música, a oferta é também de alto nível. A começar pelos tradicionais concertos Promenade pela Orquestra Clássica do Sul, eventos em que a música erudita se aproxima do público, com um pouco de conversa à mistura e desmistificando preconceitos. Segue-se Sérgio Godinho, a 19 de abril. O cantautor vem a Loulé apresentar o novo álbum, “Nação Valente”, num concerto que assinala os 50 anos de carreira do músico e em simultâneo os 92 do Cineteatro Louletano. Este evento terá interpretação de Língua Gestual Portuguesa. A 25 de abril, para assinalar os 48 anos da Revolução dos Cravos, o contrabaixista Bernardo Moreira traz ao Cineteatro Louletano uma estreia nacional, com “Cantigas de Maio”. Uma homenagem a autores que marcaram a história social, política e cultural do país, trazendo músicos de nova geração. Entre eles, João Neves, que conquistou os mentores do “The Voice Portugal” e foi escolhido pelo “The Voice Global” como uma das melhores provas cegas do ano de 2021.

E a fechar o mês na música, dois grandes concertos no Dia Internacional do Jazz: os CAL Elements Trio, um trio de contrabaixo (Marco Martins), acordeão (João Palma) e bateria (Filipe Sequeira), para ver no Auditório do Solar da Música Nova às 19h00 e pouco depois às 21h00, uma “estrela do jazz” que vem do Brasil: Amaro Freitas. O pianista de Recife, no Nordeste do Brasil, alia os ritmos afro-brasileiros ao jazz, apresentando “Sakofa”. Um concerto que se espera tecnicamente exigente, para aquecer corações e fazer bater o pé.

A 24, uma novidade: Visitas Encenadas ao Cineteatro Louletano, pela Associação Figo Lampo. “Vestido de preto, eu nunca me comprometo”, dá-nos a oportunidade de conhecer por dentro as instalações do CTL, que este ano comemora 92 anos de existência. Há incursões aos bastidores e ao que habitualmente não vemos, para perceber do que é feito um Teatro.

A 26 de abril, no âmbito das Comemorações dos 50 anos do 25 de abril, Loulé recebe “Mais Alto!” no dia seguinte, a 26. Dois concertos para escolas, com temas de José Mário Branco, Caetano Veloso, Xutos e Pontapés, entre outros.

E a fechar, a 26 e 27, surge o “Atividário de Dança”, com uma Exposição no Foyer do Cineteatro, oficinas e uma sessão (a 27, Dia Mundial da Dança) com os autores do livro “Dança”, de Inês Fonseca Santos e do ilustrador André Letria.

Com uma programação de referência (que pode consultar no site e no Facebook do Cineteatro), o CTL está credenciado pela Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses, integrando ainda a Rede de Teatros com Programação Acessível, proporcionando espetáculos com interpretação de Língua Gestual Portuguesa para S/surdos e outros com Audiodescrição, para pessoas cegas ou com deficiência visual.

O CTL é uma estrutura cultural no domínio das artes performativas da Câmara Municipal de Loulé, e é também um dos promotores da Rede Azul – Rede de Teatros do Algarve e da Rede 5 Sentidos.