A TUA RÁDIO NO SUL

JÁ TOCOU
 
A TOCAR
 
VAI TOCAR
 
Lançamento do projeto “Virgínias”, um coletivo de mulheres que procura dar voz a textos inéditos escritos por mulheres

Data

Quase 100 anos depois da publicação da obra literária “Um quarto só seu”, de Virginia Woolf, sabemos que as respostas a estas questões estão ainda longe de serem representativas e igualitárias tanto no panorama de criação literária, como em tantos outros. Foi a partir desta reflexão sobre a escrita de e sobre mulheres que nasceu o projeto “Virgínias”, um coletivo artístico que pretende dar voz a textos inéditos escritos por mulheres (cis, trans ou não-binárias).

A primeira incursão na busca destes textos originais – que não podem ter sido publicados, editados ou representados – será feita na região do Algarve, a partir do Cineteatro Louletano. Podem concorrer todas as mulheres (cis, trans ou não-binárias) que residam nesta região e que escrevam em qualquer uma das variantes da língua portuguesa, inclusive usando o género neutro. O envio de textos pode ser feito até dia 24 de julho, através do site, e deve também incluir uma carta de apresentação e um texto original.

Serão aceites diversas formas literárias, como ensaios, crónicas, contos, material biográfico, declarações artísticas, textos para cena, manifestos, cartas, etc, que privilegiem as temáticas de Identidade, Memória e Género. Serão selecionados oito textos para serem trabalhados juntamente com o coletivo “Virgínias”, que posteriormente os levarão a palco numa leitura encenada.

Este projeto criou também um workshop de escrita, a decorrer nos dias 19, 20 e 21 de agosto, para as pessoas que queiram escrever, mas que não tenham experiência; ou que tenham a tradição da oralidade de contar histórias, no Algarve, mas que não sabem escrever.

O trabalho de criação, edição, encenação e apresentação ao público será desenvolvido durante uma residência artística no Cineteatro Louletano, em Loulé, entre os dias 16 a 23 de agosto. A leitura encenada dos textos marca o encerramento da residência com uma apresentação que integra diversos grupos da comunidade local e que será gratuita e aberta ao público.

“Desejamos, enquanto coletivo de mulheres com experiências variadas no mundo artístico e editorial, encetar um trabalho de incentivo à criação e de divulgação de textos inéditos escritos por mulheres (cis, trans ou não-binária), levando-os a cena e publicando-os. É urgente contrariar a história da literatura que perpetua o privilégio de homens (geralmente brancos e de classe média) e corrigir o viés ideológico e social desta tendência. É necessário ampliar o universo de obras disponíveis para que haja uma representação da mulher e da comunidade LGBTQIA+ mais igualitária. Para isso é necessário descobrir, resgatar, reclamar esse espaço, dando voz e corpo a esses textos”, lê-se no comunicado do coletivo que inicia agora o seu trabalho.

Do coletivo “Virgínias” fazem parte Flávia Gusmão, Helena Ales Pereira, Inês Oneto, Madalena Palmeirim e Marlene Barreto.

Esta residência é financiada pelo Cineteatro Louletano, produzida pelo Casulo, Artes Performativas e Audiovisuais e conta com os seguintes parceiros: Câmara Municipal de Loulé, Loulé Criativo, Mákina de Cena, Casa Cultura de Loulé, Grémio Dramático Povoense e Bô Dixam Bai Associação.