A TUA RÁDIO NO SUL

JÁ TOCOU
 
A TOCAR
 
VAI TOCAR
 
Pradarias Marinhas inspiram obra que vai reverter para a Ria Formosa

Data

Um painel com 154 peças individuais dá forma a ‘O Nascimento de Neptunia’, uma obra inspirada nas pradarias marinhas, cujo leilão de cada peça individual reverte para trabalhos de conservação marinha desenvolvidos pelo Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da Universidade do Algarve, na Ria Formosa.

A obra foi concebida pelos artistas plásticos Gezo Marques e José Aparício Gonçalves, que se inspiraram na filha do senhor dos mares para responder ao desafio lançado pela parceira entre Hendrick’s Gin e o Project Seagrass, o qual se dedica a proteger e reflorestar as pradarias marinhas. Em Portugal a verba reverte para o CCMAR. Os interessados têm até dia 28 de outubro para adquirir um dos 154 painéis e contribuir, desta forma, para a conservação destes importantes habitats.

Os criadores da obra reuniram-se há alguns meses com a investigadora do CCMAR Carmen Santos para falarem sobre as pradarias de ervas marinhas e a sua importância, altura em que mostraram à cientista a conceção da obra que iam criar.

Carmen refere-se a este trabalho como “uma representação muito genuína das ervas marinhas, sob a forma de uma sereia rodeada de diferentes criaturas marinhas, mostrando a beleza e vulnerabilidade destes ecossistemas e também uma das suas funções ecológicas, o suporte da biodiversidade”.

“Surpreendeu-nos este convite, mas aceitámos logo porque é uma outra forma de fazer chegar a mensagem ao público e reforçar a importância das pradarias marinhas e a sua preservação. Quem quiser pode ficar com um dos painéis da obra sabendo que contribuiu também para o seu estudo e conservação”, revela a investigadora.

Há mais de 30 anos que o grupo Algae – Marine Plant Ecology Research – estuda estes ecossistemas e o seu líder, o investigador do CCMAR e professor da Universidade do Algarve Rui Santos, salienta que “cada vez mais se percebe a sua contribuição para o ambiente, mas também para as pessoas porque purificam a água, sequestram carbono, protegem a costa e são o suporte da biodiversidade e dos recursos pesqueiros”.

“A verba angariada será importante para ajudar a financiar os nossos esforços para a reconstrução das populações de ervas marinhas na Ria Formosa, que são o habitat dos cavalos-marinhos que estão ameaçados de extinção neste sistema”, concluiu.

A inauguração do painel aconteceu na passada quinta-feira em Lisboa e as 154 peças estão já disponíveis para serem adquiridas na Oficina Marques e através do site www.nascimentodeneptunia.pt, até dia 28 de outubro.

Após essa data, os painéis procurarão recordar os seus proprietários que somente remando todos para o mesmo lado, na defesa do meio ambiente, será possível levar o planeta a bom porto.